segunda-feira, 11 de novembro de 2013

Entrevista a Mafalda Pinto-Coelho - autora do posfácio de "Cancro com Humor"



Dra. Mafalda Pinto-Coelho
Presidente da Direção da Associação Portuguesa de Apoio à Mulher com Cancro da Mama




Desde o início, o projeto de publicação do livro Cancro com Humor foi pensado com um objetivo solidário. Tanto a editora Livros de Ontem como a autora do livro, Marine Antunes, reconheceram de imediato que um livro como o Cancro com Humor apenas faria sentido enquanto servisse como veículo de ajuda para alguém: seja através de toda a sabedoria expressa no livro como através de uma campanha solidária associada à sua compra.

O livro Cancro com Humor foi feito a pensar nos leitores, um testemunho pessoal, diferente e divertido para ajudar quem tem de lidar de perto com o cancro. Tem, nesse sentido, uma lógica inerente de contato direto e permanente com o público, crescendo à medida de cada contributo dos leitores.

 É, no fundo, uma forma de retribuir à sociedade, diretamente a quem mais precisa, todo o apoio e carinho que os leitores têm dado tanto à editora como ao projeto e livro Cancro com Humor. É neste âmbito que a editora Livros de Ontem irá doar 1€ por cada exemplar vendido do livro Cancro com Humor à Associação Portuguesa de Apoio à Mulher com Cancro da Mama, no que se acredita ser um sincero agradecimento e reconhecimento público por todo o bom trabalho que têm vindo a desempenhar na luta contra esta doença.

Em entrevista à Livros de Ontem, a Dra. Mafalda Pinto-Coelho, Presidente da Direção da Associação Portuguesa de Apoio à Mulher com Cancro da Mama, explicou em que estado está a luta contra o cancro em Portugal.


João Batista - Dra. Mafalda Pinto Coelho,
gostaria de iniciar esta entrevista traçando um quadro geral sobre o estado da luta contra o cancro em Portugal. Quais os desafios, quais as dificuldades e quais as grandes conquistas que já foram feitas?

Mafalda Pinto Coelho - O Carcinoma da mama é a doença oncológica mais frequente no sexo feminino, com uma incidência estimada de perto de 5000 casos/ano na população portuguesa.
A diminuição do número da mortalidade por carcinoma da mama na população portuguesa já demonstra a eficácia dos esforços daqueles que iniciaram os programas de rastreio mamográfico no nosso país.
A medicina faz o seu papel tentando tratar e curar uma doença cuja grande complexidade reside nos inúmeros factores genéticos, ambientais e sociais que a condicionam. Cabe a cada mulher um papel fundamental, a ajuda no diagnóstico precoce, a vigilância e o rastreio. A mulher portuguesa faz o seu papel?

JB – No seguimento da sua interrogação, pergunto-lhe: as mentalidades ainda são um entrave à luta contra o cancro? As pessoas só se preocupam com a doença e o seu impacto social quando esta lhes bate à porta?

MPC - Tudo se tem feitos nos últimos anos para que a mulher portuguesa se encontre mais sensibilizada para a importância da prevenção e do rastreio mamário e ginecológico a fim de possibilitar um diagnóstico precoce. No entanto, ainda há muitas mulheres que não tem por hábito ir ao ginecologista, uma ou duas vezes ao ano, para serem observadas e efectuarem os exames de rotina. É, assim, fundamental veicular junto das mulheres e seus médicos assistentes as vantagens da realização regular destes exames de rastreio de modo a conseguir uma cobertura populacional tão grande quanto possível, que acarrete a médio prazo uma mudança radical da realidade desta doença.

JB – Projetos e livros como o Cancro com Humor podem ser a solução ou, pelo menos, fazer parte dela no sentido de subverter este paradigma?

MPC - Sim, sem dúvida!
Este livro é fascinante pela frescura que imprime e pela sabedoria envolta num traje naïf, na medida em que nos ensina que mais vale rirmo-nos do nosso destino e aceitá-lo, do que revoltarmo-nos contra aquilo que jamais poderemos controlar.
Assim, é na partilha da sua crença de que a vida se leva a rir e na forma de encarar a experiência do que é “ter cancro” que este livro colabora, decisivamente, na abertura de janelas de luz nos muitos edifícios de escuridão que giram à nossa volta.

JB - O que acha da forma como o cancro tem sido tratado junto da opinião pública, especialmente na área da literatura?

MPC - Na minha opinião muito se tem escrito e falado sobre “cancro”. Esta situação permite não só a desmistificação desta doença, como também a sensibilização e educação da mulher para a importância da realização regular dos exames de rastreio de modo a conseguir-se uma cobertura populacional tão grande quanto possível.

JB - O testemunho triste e pesado de doentes oncológicos com
peso junto da opinião pública ajuda ou dificulta a sensibilização social e a desmistificação da doença?

MPC - Não podemos negar que esta doença traz consigo sentimentos de limitação, inadequação, revolta, medo e perda de autoestima. A própria doença nos ensina que a morte é parte integrante da vida, que todos morremos um dia, da mesma forma que nascemos. Que viver não passa duma misteriosa viagem, mais curta e dolorosa para alguns, duma experiência imperdível e marcante para todo e qualquer ser humano. Todos os testemunhos são válidos, uns mais positivos que outros consoante a experiencia de cada um, porque, acima de tudo, alertam para uma realidade que não podendo ser alterada pode, pelo menos, ser prevenida.

JB - Qual tem sido o papel da Associação Portuguesa de Apoio à Mulher com Cancro da Mama na luta contra o cancro?

MPC - A APAMCM ao longo dos seus 15 anos de vida acredita estar a conseguir minorizar as fragilidades existentes no sistema de saúde. Oferece a toda a população uma panóplia de apoios terapêuticos prestados por uma equipa de profissionais de saúde muito credível, durante toda a semana, de forma rápida e gratuita ou a custo assistencial. Divide-se em três grandes áreas: médica, fisioterapia e psicologia.


o        Consultas:

o       Triagem (1ª vez)
o       Medicina Geral e Familiar
o       Cirurgia da Mama (2ª opinião)
o       Fisiatria
o       Ginecologia (rastreio mamário e ginecológico)
o       Dermatologia
o       Psiquiatria
o       Nutrição
o       Osteopatia

o        Serviço de Medicina Física e Reabilitação | Centro Especializado em Fisioterapia Oncológica (galardoado com o Premio Boas Práticas em Saúde);

o        Serviço Psicologia (terapia individual | terapia familiar | terapia de grupo | ludoterapia);


JB - A venda do livro Cancro com Humor irá reverter, em parte, para esta casa. Existe alguma necessidade urgente na qual este dinheiro será aplicado?

MPC - Parte deste dinheiro será aplicado na nova consulta de ginecologia que tem como objectivo primordial a oferta do rastreio mamário e ginecológico à mulher. Abre ao público, na sede da APAMCM, dia 25 de Novembro. Encontramo-nos a angariar dinheiro para os materiais consumíveis e descartáveis, um software de gestão clínica e, ainda, para a aquisição de um ecógrafo no decorrer do ano 2014.

JB - Este tipo de apoios são fundamentais para o funcionamento da Associação ou apenas contribuições pontuais para realizar projetos específicos?

MPC - Todos os projetos em que a APAMCM se envolve são fundamentais para a gestão de todos os serviços de saúde e do quotidiano laboral desta instituição de saúde. Cada serviço de saúde necessita estar adaptado às reais carências dos seus utentes, modernizado e devidamente equipado com materiais hospitalares necessários ao tipo de tratamento que presta.
A APAMCM não tem qualquer apoio financeiro por parte da sua tutela e portanto dinamizar processos de captação de fundos é vital para que consiga manter-se aberta ao público e autónoma financeiramente.

JB - A autora Marine Antunes tem estado envolvida com esta Associação. O que pode dizer sobre a autora deste livro?

MPC - A Marine Antunes realizou em Junho deste ano um encontro de Cancro com Humor na nossa sede dirigido aos nossos associados com patologia oncológica. Foi uma tarde bem passada onde a troca de vivências se efectuou em alegria. Apesar de jovem a autora denota grande sensibilidade, maturidade e é muito voluntariosa.



JB - O livro Cancro com Humor aborda um tema muito sensível de uma maneira nova e arrojada. Como tal, existe sempre a possibilidade de ser mal compreendido.
Acha que a abordagem do livro é pertinente para o tema tratado?

MPC - Como escrevi no meu posfácio, Marine Antunes não é uma escritora no sentido convencional do termo – alguém que se dedica à escrita – mas sim uma sábia alma num corpo de menina que, a dada altura, sentiu necessidade de partilhar com o mundo uma genial ferramenta que encontrou dentro de si – o Humor – que a ajudou a lidar com a dor, a frustração e o medo de morrer.
Claro que há pessoas que lidam com a doença de outras formas e o humor para elas pode não ser o caminho ideal para gerirem as suas emoções. É algo que devemos respeitar. Aquilo que pode ajudar uns nem sempre se aplica de forma universal. Mas na verdade a rir a vida torna-se sempre mais fácil, mesmo nos períodos de profunda tristeza.

JB - A Dra. Mafalda Pinto Coelho foi convidada para escrever o posfácio do livro. Como foi fazer parte deste livro e o que pode desvendar aos nossos leitores?

MPC - Foi uma viagem interessante entrar no mundo íntimo da autora, viajar pelas suas inúmeras emoções, sentir as transformações interiores dos seus sentires, vestir a sua pele e tentar compreender o que vivenciou com aquela experiencia. Quando nos colocamos no lugar do outro aprendemos sempre imenso acerca de nós próprios.

O livro poder ser adquirido através do site da editora: http://bit.ly/1dhCYtK



1 comentário:

  1. Seria injusto de ma part não fazer o elogio do que tem-me
    licença de obter um empréstimo de dinheiro o Mês último do qual tinha necessidade
    para salvar uma vida em perigo à partida não havia só um
    momento mas a minha curiosidade meu empurrado de tentar e finalmente pude
    obter este empréstimo que a minha saída desta impasse na qual mim
    viva, preenchi as condições e sem preocupações, a minha conta tem
    creditado dos 1.400.000€ que pedi. Tinha necessidade de empréstimos
    de dinheiro entre particulares para
    fazer face às dificuldades financeiras para por último sair da impasse
    que provocam os bancos, pela rejeição dos vossos processos de pedido
    créditos? Aconselho-vos um particular especializado em financiamento d
    empréstimo, solicito-os tomar contacto com Monsieur Lucenti Mario
    quem ele apertou em condições de fazer-vos um empréstimo tem qualquer pessoa
    capaz de reembolsar e com condições que facilitá-las-ão
    vida. Eis os domínios nos quais podido ajudá-los: * Financeiro
    * Empréstimo imobiliário * Empréstimo ao investimento * Empréstimo automóvel * Dívida
    de consolidação * Margem de crédito * Segunda hipotequa * Resgate
    crédito * Empréstimo pessoal vocês
    são fixados, proibições bancárias e não tem o favor
    bancos ou melhor tem um projeto e necessidade de financiamento, um
    mau processo de crédito ou necessidade de dinheiro para pagar faturas,
    fundo a investir sobre as empresas. Então se tiver necessidade
    empréstimo de dinheiro não hesitam a contactá-lo, far-se-á um prazer
    imenso ajudá-los obrigado de fazer como mim e enviar vosso
    pedido para obter o vosso empréstimo em 48 horas. Eis o seu correio eletrónico:


    duvalles.phillips@outlook.com


    Obrigado de passado a mensagem por último de ajudar aqueles que estão na necessidade


    Boa Possibilidade!

    ResponderEliminar