segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Cancro com Humor já disponível em pré-venda!

A Livros de Ontem já tem canal próprio de crowdfunding!

Através de uma parceria estabelecida com a plataforma de crowdfunding PPL, a Livros de Ontem tem agora um canal próprio para lançar e financiar os seus livros.

E nada melhor para inaugurar este canal que o livro Cancro com Humor, de Marine Antunes, um livro que promete revolucionar a forma como a sociedade vê e lida com o cancro.



Ao longo de um mês, propõe-se angariar 2000€ para tornar realidade este livro tão promissor! Na verdade serão apenas 1800€, já que a Livros de Ontem garante sempre a comparticipação de 10% do investimento.

Mas há mais! Para marcar esta data tão importante, a Livros de Ontem decidiu lançar também uma campanha solidária.

Por cada apoio recebido em crowdfunding, a Livros de Ontem irá doar um postal motivacional a um doente oncológico internado.
Por cada livro vendido, a Livros de Ontem irá doar 1€ à Associação Portuguesa de Apoio à Mulher com Cancro da Mama.
Os apoios angariados serão distribuídos em parceria com os Palhaços d’Opital que nos ajudarão a animar uma tarde com os doentes.

Curioso? Passe pela página e veja as recompensas que preparámos para si!

Não se esqueça, precisamos do seu apoio e da sua divulgação para tornar este projeto uma realidade.


sábado, 21 de setembro de 2013

Álvaro Cordeiro: “O autor diz-se no que escreve, os leitores leem-se no que ele escreveu”

20 de Junho de 2013. Data oficial do lançamento do livro Nós, Vida, primeiro do autor Álvaro Cordeiro, primeiro da editoraLivros de Ontem. Uma dupla estreia que encheu a livraria Pó dos Livros e que deixou no ar a promessa de um grande sucesso literário.Agora que a obra já circula e repousa na prateleira das livrarias esperando o interesse dos leitores, o autor revela-se e explica-se.
O EF esteve à conversa com o autor e tentou encontrar resposta para algumas perguntas: Quem será Álvaro Cordeiro? De que fala Nós, Vida? O que dizem as entrelinhas deste autor que se estreia no mundo da publicação literária?
evento3
O Paulo é um novo autor mas só como autor publicado. A escrita, em si, já não é novidade. Quando começou esta apetência pela palavra?
Eu escrevo desde a adolescência. E penso que tudo começou por efeito natural da minha timidez. Nunca me considerei muito dotado para a oralidade, inibo-me ao falar para outras pessoas e, por isso, desenvolvi a escrita como território privilegiado da minha expressão e comunicação. Isto depois foi potenciado pelo contacto, que vem desde a infância, com a literatura: sempre me fascinou a capacidade dos escritores usarem as palavras na sua máxima riqueza e, com elas, dizerem coisas que nós não conseguimos dizer, usando as mesmas palavras nas nossas conversas.
Primeiro para a gaveta e depois para o teatro. Como foi esse processo e como foram tomadas essas decisões? Por que não a publicação?
Sempre escrevi “para a gaveta”, desde que me lembro. E continuo a fazê-lo. Considero esse exercício importantíssimo para progredir na qualidade de escrita. Acredito que é preciso repetir páginas e páginas até chegar a algo que valha a pena ser lido por outros. A escrita teatral, de forma mais séria, surgiu mais tarde, há quase vinte anos, quando formei um grupo de teatro amador que queria encenar textos originais. Produzíamos uma peça por ano e, por cada texto que “saía”, vários rascunhos iam para a gaveta para que deles pudessem resultar outros textos mais tarde. É sempre este o processo: escrever a partir do que já se escreveu e tentar ir mais além a cada novo passo. Quanto a publicação, confesso que nunca pensei nisso: o prazer da escrita (algo romântico, reconheço…) esgotou-se sempre na contemplação da própria escrita e, no caso do teatro, na fruição do espetáculo que dela surgia. Até agora…
Chama-se Paulo Vaz, publica como Álvaro Cordeiro. Como surge o pseudónimo? É uma vontade ou uma necessidade?
Paulo Vaz sou eu, um homem comum, igual a tantos outros: exerço uma profissão, sou marido e pai; dedico-me ao estudo e ensino da História, valorizo a espiritualidade, gosto perdidamente de ler e tenho uma enorme paixão pelo teatro. Nada mais que isto. Álvaro Cordeiro não é um pseudónimo, é uma personalidade literária que habita esta pessoa comum e, dentro dela, exprime-se por escrito. Eu publico como Álvaro Cordeiro porque escrevo como Álvaro Cordeiro. Sempre escrevi como Álvaro Cordeiro, mesmo para as gavetas, desde a adolescência. Quando, no teatro, pego numa peça escrita por Álvaro Cordeiro para a encenar, encaro-a como algo escrito por outra pessoa. O mesmo sucede (e sucedeu desde o início) com o Nós, Vida: releio aqueles capítulos e admiro o facto de alguém ter conseguido escrevê-los… Isto pode parecer estranho, ou até presunçoso ou pedante, mas não é: é assim que o sinto, convivo com isto de uma forma simples e despreocupada e não costumo falar no assunto.
O que tem de novo para dizer ao mundo? Ou de diferente?
Depois de ler os grandes clássicos da literatura, fica-se com a sensação de que já não há nada de novo para dizer ao mundo. O ser humano diz-se a si próprio naquilo que os escritores escrevem, as suas palavras dizem uma outra Palavra maior que há neles, ou que através deles se transmite. E, assim, o ser humano recria-se e acrescenta-se e é por isso que a literatura é importante. E é por isso que continuamos a escrever, porque tentamos inventar maneiras diferentes de dizer o essencial que, se calhar, já foi dito mas vale a pena continuar a dizer. E o essencial é sempre o ser humano, com todo o seu potencial de energia, sentimentos, inteligência e espiritualidade. Sempre houve e haverá homens e mulheres que vivem a vida inteira sem reconhecerem em si potencial algum, ou sem terem oportunidade de ativar o que quer que seja. Como se explica este fenómeno? É o mistério de uma humanidade que foi capaz de gerar um Aristóteles, um Francisco de Assis, mas também um Rodrigo Bórgia ou um Estaline e tantos milhões e milhões de pessoas que nunca saberemos que qualidades e defeitos tinham. E é este mistério que é preciso continuar a dizer na literatura. Isto é o que eu penso e é sobre isto que escrevo. Às vezes sinto que a escrita de Álvaro Cordeiro transcende tudo isto que eu penso e sinto, ou vai buscar o que há de mais profundo em mim e exprime-o de uma maneira que eu não sei muito bem explicar como acontece. Como se as palavras escritas revelassem essa outra Palavra que é maior do que aquele que as escreve (a tal “verdade profunda ou terrível ou absurda ou final” de que fala a nota inicial de Nós, Vida). Escrever, no fim de contas, é um ato de transcendência. Gosto de pensar que talvez seja isso que tenho a dizer: o ser humano está, em tudo o que faz e vive, desafiado a transcender-se.
Decide avançar para a publicação numa altura de crise em que a cultura se ressente. Um desafio ou uma adversidade insuperável?
É verdade que vivemos uma conjuntura de crise económica grave, as pessoas temem pela sobrevivência e pelo acesso aos bens essenciais. Os equilíbrios sociais estão abalados, porque as pessoas sentem que já não podem viver segundo os padrões em que viviam e reagem pela depressão ou pela agressividade. E, na redução ao essencial, é claro que a cultura está entre os primeiros cortes, de acordo com a sociedade materialista e utilitarista em que vivemos. É inevitável, embora talvez não devesse ser assim, porque a História ensina-nos que as grandes ideias geradoras de mudança surgiram ou afirmaram-se precisamente em períodos de crise e a cultura é simultaneamente viveiro e canal de transmissão de ideias. Na Islândia, por exemplo, o Estado apostou num relançamento da produção cultural como uma das formas de combater a crise. Isto pode ser um sinal de que a cultura tem lugar num contexto de crise, porque devolve os indivíduos e a sociedade à reflexão sobre si próprios, desperta-lhes o potencial criativo, constrói ou reconstrói imagens e acorda para o essencial. Neste sentido, avançar para a publicação numa altura de crise é, sem dúvida, um desafio.
Como é ser um novo autor em Portugal? Que oportunidades e dificuldades existem?
Se considerarmos como autor aquilo que eu sempre fui (alguém que se entrega simplesmente ao ato criativo da escrita), direi que há muitas oportunidades para um novo autor: com computador e internet é possível escrever a qualquer hora e em qualquer lugar, armazenar a escrita em “gavetas virtuais” e partilhá-la de modo mais seletivo ou mais aberto, na modalidade que se quiser, através de nuvens, blogues, redes sociais, edições on-line, etc.. Se entendermos por autor alguém que publica ou deseja publicar a sua escrita e viver disso, adivinham-se mais dificuldades: talvez não seja muito difícil editar um livro e pô-lo à venda, mas para ter “êxito” é preciso criar nome e ir ao encontro dos critérios de aceitação do público (o que é bom, desde que se tenha qualidade e isso fomente mais leitura e reflexão). Ou então produzir um forte impacto de novidade com uma proposta alternativa que venha a definir um novo critério de aceitação. Em síntese, penso que há muitas oportunidades para escrever e razoáveis possibilidades de publicar, mas será difícil conquistar um espaço significativo no ambiente de massificação cultural que caracteriza a sociedade atual.
Na sua opinião, como está o panorama editorial português a nível de autores, editoras, livrarias, novos formatos?
Sinceramente, não sei responder a essa pergunta, que é demasiado abrangente. Cultivo o prazer da leitura e da escrita, mas domino pouco o panorama editorial. É um lugar comum dizer que as grandes editoras apostam nos formatos de sucesso e nos autores consagrados e descuram as propostas alternativas e os autores com universos mais particulares. Porém, eu não sei se isso não acaba por ser natural: é uma lógica de sobrevivência empresarial que, no fundo, pode prestar um serviço à difusão cultural. O mesmo se passa, porventura, com as livrarias: enchem uma montra com exemplares do mais recente sucesso mundial para que as pessoas, ao passarem, verifiquem que é uma livraria atualizada. Então, as pessoas entram para ver se há lá dentro outras coisas interessantes … e talvez reparem num dos três exemplares do Nós, Vida que foram ali postos à venda na quarta prateleira. O importante, penso eu, é que essas pessoas admitam que um livro desconhecido de um autor desconhecido pode ser interessante, que se disponham a colher informação sobre ele, que arrisquem comprá-lo e lê-lo e, acima de tudo, que formem uma opinião própria sobre o que leram, em vez de se limitarem a comprar o último best-seller estrangeiro acreditando que deve ser muito bom porque já vendeu cinquenta mil exemplares. As editoras e as livrarias são empresas que alimentam um público do qual dependem para se manter. Às vezes, os autores funcionam da mesma maneira. É, quanto a mim, a atitude do público leitor que tem de ser aberta e pluralista, fugir da simples repetição massificada, cultivar o gosto pelo diferente e valorizar universos literários variados sem precisar de fazer comparações, apreciar tanto um best-sellerinternacional como um livro de culto em edição de autor. Para conseguir chegar aí, penso que todos – autores, editoras, livrarias e, claro, leitores – temos de nos dispor a arriscar um pouco mais.
evento2
Como define Nós, Vida?
Gostaria de deixar para os leitores a resposta a essa questão. Afinal de contas, é esse o jogo da literatura, não é? O autor escreve, os leitores apreciam a escrita. O autor diz-se no que escreve – e às vezes diz-se mais do que se conhece –, os leitores leem-se no que ele escreveu – e às vezes leem-se mais do que se imaginavam. E, a partir daí, dizem-se a si próprios de outra maneira e talvez até passem a dizer-se aos outros de maneira diferente. Por isso é que a literatura é um ato de transcendência e pode ser uma experiência transformadora. Como a arte. Nós, Vida é, sem dúvida, a forma mais acabada que até hoje consegui de me dizer, ou de dizer a Palavra que procuro em mim. Creio que ainda é uma forma incompleta, por isso é que continuo a escrever.
O que mais me chamou a atenção em Nós, Vida foi a interligação do título com a história, duas palavras singulares que formam um todo que faz muito sentido ao longo da história. Como foi o processo de construir uma narrativa tão real, tão certa com o mundo que nos rodeia?
De início não havia sequer a preocupação de construir uma narrativa sequenciada. A ideia era compor um retrato do ser humano fragmentado em cenas diversificadas com personagens diferentes que não tinham ligação entre si. Ao longo do processo de evolução da obra, as personagens foram-se tornando próximas, surgiram os laços familiares e afetivos, ataram-se os nós daquelas vidas. Como se as personagens, por meio de um mecanismo cujo controlo me ia escapando, começassem a dizer-me que o tal retrato do ser humano é feito da junção de todas elas, num todo que não é igual à soma das partes. O passo decisivo neste processo foi a transformação do texto inicial em peça de teatro, com a necessidade de conferir unidade ao conflito e definir um desenlace. Foi então que surgiu o título, que se torna muito mais significativo depois de terminada a leitura. Mas tudo isto aconteceu de um modo algo indizível e transcendente, operado por uma personalidade literária que parece gozar de uma certa autonomia dentro de mim.
Os seus personagens podiam ser qualquer um de nós. Há alguma correspondência com a realidade na construção de personagens ou a sua veracidade provém da completa abstração?
Todas as personagens são inventadas, são criações de um autor que habita em todas elas. A singularidade dos nomes, tantas vezes apontada, acentua precisamente o seu distanciamento da realidade concreta, essa “abstração”, se assim quisermos dizer. A descontextualização da narrativa, reduzindo ao mínimo as referências a tempos e lugares, também contribui para isso. No entanto, ao centrar todo o discurso exclusivamente nas personagens, no que dizem e sentem, pretende-se criar um efeito de proximidade e de identificação e é talvez por isso que elas podem ser qualquer um de nós, que as suas vidas podem contar um bocado das nossas vidas. Observando-as de perto, talvez nos vejamos melhor a nós próprios. Pelo menos, é essa a intenção.
E depois de Nós, Vida? Há mais alguma gaveta por abrir?
Há várias gavetas e não estão propriamente fechadas. A minha escrita não é um segredo, é apenas uma atividade resguardada, uma intimidade que espera os momentos adequados para ser exposta e partilhada. Nós, Vida demorou um tempo que pode parecer excessivo, mas que eu hoje sinto como tendo sido o necessário. Há outras coisas à espera, algumas em apontamento, algumas já redigidas em parte ou no todo. Posso adiantar que há um texto em processo de reescrita da terceira versão. Será o próximo livro? O autor está a fazer o seu trabalho, mas só as circunstâncias, o editor e os leitores poderão dar a resposta final…

Originalmente publicado no Espalha-Factos.

Cancro com Humor | Habemus capa!

A capa do livro Cancro com Humor já foi divulgada!


A poucos dias do novo livro publicado pela Livros de Ontem ser lançado em crowdfunding na plataforma PPL, divulgamos a tão esperada capa que vem revolucionar a forma como o cancro é tratado e trabalhado junto da opinião pública.

Para um livro original e polémico, uma capa que o acompanha na abertura de novos Cancro com Humor é mais do que um livro de auto-ajuda e mais que um livro de humor. É um novo conceito, um livro pioneiro desses que não se consegue classificar. 
caminhos no mundo da edição.

Cancro com Humor é um estilo de vida, um modo de lidar com a doença, uma forma de quebrar tabus. Ao ler este livro, o leitor irá sentir que está a perante algo novo, perante o testemunho de quem criou uma nova forma de combater o cancro. 

Estes são os livros mais difíceis de trabalhar, de editar, de rever e paginar. Mas são também os que mais prazer dão. Um livro ambicioso para uma equipa ambiciosa, a combinação perfeita. Quisemos que Cancro com Humor se apresentasse ao mundo com uma capa tão diferente quanto o seu próprio conteúdo. Mas como representar o cancro no plano gráfico de uma forma alegre e humorística. Como representar este escarnecer da doença para a ultrapassar? E como aliar isso ao mundo do humor, do stand-up, da comédia? 

O resultado está à vista. As conclusões são pessoais e deverão ser assimiladas por cada um individualmente. O sentimento é de missão cumprida. Parabéns Marine, parabéns Livros de Ontem. O mundo, esse, é dos loucos!

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Escritores Livros de Ontem com Facebook oficial

De que vale o texto do escritor que não é lido? De que vale a música do cantor que não é ouvida? De que vale o quando do pintor que não é apreciado?

Pouco. Muito pouco. Talvez nada.

A arte é feita para quem a aprecia e, sem público, de nada vale. O conteúdo que torna arte o simples texto, a simples canção, o simples quadro é a mensagem transmitida pelo autor e absorvida pelo público.

É fundamental conhecer o texto, conhecer o autor, conhecer o mecanismo por detrás do livro que chega à estante de sua casa. Para verdadeiramente conhecer e apreciar a mensagem, desfrutar dela na sua plenitude, é importante conhecer o escritor nas suas variadas vertentes e ocasiões.

Quem é esse que escreve o que leio? O que faz, o que gosta de fazer, o que gostaria de não ter de fazer? Quem é, onde habita, como vive? São tudo interrogações que agora já têm resposta. 

A Livros de Ontem orgulha-se de apresentar os perfis de Facebook oficiais dos seus escritores. A partir de agora poderá acompanhá-los, conhecê-los, questioná-los, tudo ao alcance de um clique e sem ter de sair do sofá.

Venha conhecer um pouco melhor quem está do outro lado dos livros que lê!

Álvaro Cordeiro - perfil
Marine Antunes - perfil

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Livros de Ontem na revista Visão

A Livros de Ontem saiu hoje na revista Visão numa reportagem especial sobre crowdfunding


É um enorme orgulho para nós sermos referenciados numa revista tão credível como a Visão como um bom exemplo de sucesso neste regime de financiamento.

Esta reportagem tem ainda um significado mais especial por ter saído na altura em que a Livros de Ontem se encontra a reforçar o seu papel na divulgação e promoção do crowdfunding em Portugal através da ligação entre o financiamento pela multidão e a literatura. Consideramos que existe um enorme potencial nesta relação e estamos decididos a explorá-la. Em breve divulgaremos grandes surpresas neste campo. Para já, fica a reportagem.



E que bonito ficou o nosso Nós, Vida na fotografia!

Um obrigado à Visão.

Samuel Pimenta | Novo autor Livros de Ontem

Já se conhece o próximo autor publicado com a chancela Livros de Ontem: Samuel Pimenta.


Samuel Pimenta tem apenas 23 anos e um percurso invejável na literatura. Conta já com vários prémios literários, entre os quais, o Prémio Jovens Criadores 2012 que venceu na vertente de literatura com o poema O relógio. Será este o primeiro livro de Samuel Pimenta a ser publicado pela Livros de Ontem.

Ainda não existe data para o lançamento, apenas a certeza de que será um grande sucesso.

É também de salientar que o autor estará na Feira do livro de Frankfurt no dia 12 de Outubro pelas 17h para lançar o seu livro Geo Metria, publicado no Brasil pela Literarte.

Para conhecer melhor o autor, pode visitar o seu blogue pessoal onde o escritor partilha alguns poemas.

Em breve haverá mais novidades sobre o livro e sobre o autor. Não perca!

terça-feira, 10 de setembro de 2013

O regresso às aulas é na Livros de Ontem

Setembro, época de regresso às aulas, época de promoções imensas em material escolar e encomendas astronómicas de manuais. E os universitários?

Infelizmente os estudantes universitários são deixados à margem de todo este processo, de toda esta preocupação. Difícil de fazer as contas aos gastos, difícil de elaborar listas de livros necessários, difícil de falar nas fotocópias ilegais de livros.

A verdade é que os estudantes do ensino universitário vivem uma situação tão ou mais difícil que os restantes estudantes. Na maior parte dos casos, não são só os livros a entrar no orçamento reduzidos das famílias, a casa, a alimentação, os transportes...


Mais do que nunca, os nossos estudantes carecem de uma solução para comprar e vender os livros universitários que são fundamentais num dia e desnecessários no outro. 

A Livros de Ontem oferece a solução. Com livros usados em bom estado e preços baixos durante todo o ano, a Livros de Ontem oferece uma plataforma virtual para comprar e vender livros académicos e clássicos. É a solução mais eficaz e simples para um curso superior a baixo custo.

E é extremamente simples de usar:
Basta entrar em www.livrosdeontem.pt;
Registar como utilizador;
Inserir os livros que pretende vender;
Encomendar os livros que pretende comprar.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

Livros de Ontem procura novos autores


A Livros de Ontem é uma editora especializada na descoberta e publicação de novos autores de língua portuguesa.

Desde o início que a sua missão tem sido clara: apostar nos autores de língua portuguesa que, devido à sua condição de autores desconhecidos, não têm a oportunidade de apresentar ao público o seu trabalho literário. Recordando que também os grandes escritores foram, um dia, novos autores desconhecidos, a Livros de Ontem pretende-se afirmar na descoberta e formação dos grandes escritores de amanhã.

Assim sendo, e de acordo com o seu projecto editorial, a Livros de Ontem tem uma equipa permanente de editores prontos a ler todos os originais recebidos e a avaliar os mesmos consoante os critérios de qualidade próprios à instituição. 

Cada livro é tratado como uma obra única e especial e todo o plano de edição e publicação é pensado no sentido de potenciar ao máximo o trabalho do autor. 

O endereço electrónico da editora está sempre aberto para receber originais para possível publicação.
Basta enviar o original com uma carta de apresentação do autor e/ou CV para originais@livrosdeontem.pt

A nossa equipa garante confidencialidade e uma avaliação cuidada e pertinente.

Autores, a Livros de Ontem aguarda as vossas propostas!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Cancro com Humor | Jantar de angariação de fundos

A J MOVE, lista concorrente às autárquicas 2013 em Ourém, organizou no passado dia 31 de Agosto um jantar de beneficência em favor da Associação Sem Fins Lucrativos Cancro com Humor. O jantar teve lugar no restaurante Manalvo que viu a sua casa com lotação esgotada.


Um estrondoso sucesso este jantar onde a Livros de Ontem marcou presença que, reunindo 180 pessoas, conseguiu angariar para a Associação Cancro com Humor 400€.

Houve poesia, música, boa disposição, intervenção política e, claro, muito Cancro com Humor. As intervenções da Marine e o hino da Associação cantado pelo Simão contribuíram para que todos os presentes ficassem a conhecer melhor o trabalho que tem vindo a ser feito.

Foi muito bonito observar a mobilização local que se gerou em torno desta causa tão nobre e necessária e foi comovente sentir que a Livros de Ontem não só faz parte de tudo isto como tem um papel fulcral a desempenhar.


É um prazer enorme ser editora de um movimento como o Cancro com Humor e ajudar esta Associação a crescer! 
Parabéns Marine, parabéns Cancro com Humor!

O livro? O livro vem em breve...

Nós, Vida | Crítica blogue FLAMES


Crítica ao livro Nós, Vida pelo blogue FLAMES.
Para ver aqui.