quarta-feira, 31 de julho de 2013

Sobre os blogues literários


Pedro Pinto, bloguer literário, pensa sobre as funções e estratégias dos blogues da especialidade. Para ler e pensar aqui.

terça-feira, 30 de julho de 2013

Estamos a contratar!

A Livros de Ontem está a contratar!

A editora Livros de Ontem procura um estagiário ao abrigo do incentivo do IEFP - Impulso
Jovem – Medida Estágios Emprego.
O estágio é remunerado de acordo com o incentivo em vigor, tem a duração de doze meses e tem inicio em Setembro.

A posição aberta é para "Marketing digital, planeamento estratégico e Social Media" ficando o estagiário a responder diretamente ao diretor executivo.

Procuramos alguém com espírito jovem e empreendedor com conhecimentos e capacidades ao nível do Marketing e que seja apaixonado pelos livros e literatura.

Descrição das Actividades a Desenvolver:
- Gestão de conteúdos multimédia
- Acompanhar o desenvolvimento da plataforma e sua implementação,
- Apoio nos eventos de promoção
- Auxiliar o desenho de planos de marketing / estratégia empresarial
- Gestão de contacto entre editora, público e autores
- Apoio a área comercial grossista e retalho (contactos, controlo, administrativo)
- Reporta diretamente ao sócio gerente.

Perfil:
- Espírito empreendedor
- Gosto pela cultura (livros e literatura)
- Capacidade técnica em gestão de marketing digital, conteúdos multimédia e social media
- Conhecimentos de ferramentas de design (preferencial)
- Domínio da língua inglesa (preferencial)
- Boa capacidade de argumentação.
- Elevado sentido de responsabilidade e disciplina.
- Facilidade de integração e trabalho em equipa.
- Autonomia e espírito de iniciativa, com ambição, audácia e criatividade.
- Capacidade de análise estratégica e de orientação para optimização de resultados.
- Mobilidade na área geográfica da Grande Lisboa

Se achas que tens o perfil adequado candidata-te enviado carta de apresentação e CV para o nosso e-mail: geral@livrosdeontem.pt

Boa sorte, contamos contigo!


O Verão chegou à Livros de Ontem

O Verão chegou e com ele as leituras de férias. Haverá algo melhor que ler um bom livro na praia ou abrigado à sombra depois do almoço? Melhor que isso só mesmo ouvir o seu livro preferido no rádio do seu carro, escutar doces palavras no seu iPod enquanto dá uma corrida pela marginal.

É a pensar nos seus leitores que a Livros de Ontem decidiu criar a sua campanha de Verão. Agora, até 30 de Agosto, na compra do livro Nós, Vida através do nosso site oferecemos-lhe o Audiobook. Para que não perca pitada do seu novo livro, agora poderá complementar a leitura deste maravilhoso romance ouvindo o próprio autor e um grupo de jovens atores a recitá-lo só para si.


Não perca esta oportunidade, entre já em www.livrosdeontem.pt e encomende o seu exemplar da edição de colecionador numerada e autografada.

sábado, 27 de julho de 2013

Marine Antunes reflete sobre o projeto Cancro com Humor

Convidámos a nossa autora Marine Antunes a dar o seu testemunho sobre o projeto Cancro com Humor, o passado, o presente e o futuro. 
Desvendamos aqui um pouquinho do que está para vir, resultante da magnífica parceria entre Cancro com Humor e Livros de Ontem.
Fiquem atentos ao livro.



O Cancro com Humor começou como um projeto arrojado que me permitia escrever e reviver velhas memórias, transformando-as em pensamentos úteis para os doentes oncológicos. Sem esperar, o projeto incial ganhou uma dimensão real, demasiado importante para ser apenas uma inspiração criativa e, rapidamente, se tornou numa causa. O grande sonho de escrever um livro foi adiado durante um tempo porque percebi que não me bastava escrever de forma isolada e individual. Era urgente comunicar diretamente com o mundo do cancro e compreender se a ferramenta que apresentava, o humor, era realmente fundamental.

Aquilo que começou por ser apenas blogue e uma página no facebook, transformou-se no Movimento Careca Power, um movimento capaz de inspirar os outros e defender os doentes, como seres válidos, bem-humorados e felizes. Paralelamente, a escrita e a interação virtual já não eram suficientes e passei a fazer palestras humorísticas, adaptando os textos de humor sobre cancro em momentos de partilha e motivação com doentes, ex-doentes e o público em geral.

O Cancro com Humor começa a crescer em outras dimensões, promovendo atividades lúdicas e artísticas que valorizam o doente, como foi o caso da campanha fotográfica “Despir o Preconceito”, que ofereceu uma sessão fotográfica divertida e inspiradora a mulheres com cancro, com o trabalho do fotógrafo Filipe Inteiro. A lutar para ser uma Associação Sem Fins Lucrativos, o Cancro com Humor quer chegar mais longe e a mais pessoas. Este ano, além de se apresentar ao público como uma Associação com as suas atividades próprias, estará com as palestras humorísticas no Porto, no Algarve, em Lisboa, depois de já ter estado na Cáritas, em Leiria, na Associação Portuguesa de Apoio à Mulher com Cancro da Mama em Lisboa, na Faculdade de Portalegre, no Hospital de Leiria, entre outros. De outra forma, mas também muito intensamente, o Movimento Careca Power transformar-se-á num grupo não terapêutico de partilha de vivências, sempre com humor, na Associação Portuguesa de Apoio à Mulher com Cancro da Mama, uma vez por mês, dirigido por mim e com a participação de mulheres com cancro.


Finalmente, o sonho de publicar o livro Cancro com Humor concretizar-se-á este ano, com o apoio da Editora Livros de Ontem. Ambiciono apresentar esta nova perspetiva do mundo do cancro agora em livro, em jeito de crónicas humorísticas, desejando que seja uma bela companhia para os doentes, que os faça rir e, sobretudo, que os ajude a estar mais felizes.

Marine Antunes

Nova parceria, novo passatempo

A Livros de Ontem celebrou recentemente uma nova parceria com um blogue literário. O blogue Flames vem, desta forma, continuar a política de parcerias que a editora pretende implementar. 

Acreditamos que a nossa mensagem, os nossos autores e as nossas histórias chegam mais rapidamente aos leitores com a ajuda preciosa dos blogues e dos críticos que os mantêm. Estes meios de informação digital ajudam a criar massa crítica sobre os livros que publicamos com a nossa chancela e deixam-nos mais próximos dos leitores.

A Livros de Ontem encontra-se muito satisfeita com a adição desta parceria à sua lista ainda reduzida de blogues parceiros selecionados da qual fazem parte o Letras e Cultura, o Efeito dos Livros e agora o Flames. Esperamos também que esta lista possa aumentar em breve.

Para celebrar esta nova parceria, foi aberto um passatempo que pretende oferecer um exemplar do romance Nós, Vida. Para participar basta entrar aqui e preencher o formulário.

Boa sorte aos participantes!

sexta-feira, 26 de julho de 2013

5 dicas para a escrita de diálogos

Em determinado momento da sua carreira, todos os escritores se confrontam com a necessidade de criar diálogos entre personagens, um terreno que pode causar algumas dúvidas e que carece de muita prática.

Aqui ficam cinco dicas para tornar os seus diálogos mais reais e credíveis.

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Audiobook "Nós, Vida" - uma aposta ganha

Quando o romance Nós, Vida chegou à Livros de Ontem, ainda como original, apaixonou-nos de imediato. A narrativa ímpar, as personagens que podiam ser qualquer um de nós, a mensagem que nos devolve um espelho da nossa própria vida. Mas não foi só isto que despertou o nosso interesse. A história por detrás da história, o percurso do livro único e especial, algo que merecia ser partilhado. E assim, o original se fez livro. 

Mas nem só de páginas vive a obra. Parte da rica história por detrás de Nós, Vida foi passada no palco, protagonizada pelos atores que deram vida à prosa tornada peça. Escrita, adaptada e encenada por Álvaro Cordeiro, a peça foi um sucesso sem precedentes para a companhia de teatro amador e a obra pediu por mais. O surgimento da Livros de Ontem, editora de novos autores, foi esse mais que a obra pedia tornado realidade. A peça de teatro foi revista e reescrita e, passados 30 anos, o original tornou-se livro. 

O processo ainda não estava completo. A impressão do livro não bastou para satisfazer tamanha obra da literatura portuguesa. A encenação em áudio foi o passo lógico. Uma equipa de jovens autores, um estúdio profissional e a direção de Álvaro Cordeiro foi a receita de sucesso para a produção do Audiobook Nós, Vida


Uma aposta inovadora no meio literário português e uma tendência que a Livros de Ontem quer introduzir no mercado. Para quem não pode ou não sabe ler, para quem quer desfrutar da obra na voz agradável dos atores do futuro.

O Audiobook é uma aposta ganha e uma receita de futuro para próximos livros editados e publicados pela Livros de Ontem. 

Oiça os trailers do making off.

Casa cheia para ouvir Álvaro Cordeiro

Foi no dia 24 de Julho de 2013 que Álvaro Cordeiro apresentou o seu romance Nós, Vida no Externato Marista de Lisboa. Um evento organizado pela Livros de Ontem para apresentar o romance a toda a comunidade educativa.


O local escolhido foi duplamente pertinente dada a ligação entre a instituição de ensino, o autor e a gerência da Livros de Ontem. Para Álvaro Cordeiro, professor do Ensino Básico e Secundário, foi uma oportunidade para apresentar a sua vertente artística e cultural aos colegas de trabalho. Para o editor João Batista, ex-aluno Marista, foi uma oportunidade de regressar à casa da sua formação.

Apresentou-se a editora e o autor, apresentou-se o livro, leu-se um capítulo e houve uma sessão de autógrafos. É este género de iniciativas que nos move enquanto editora, enquanto instituição das artes e da cultura com a missão de levar os livros, as histórias e os autores junto do público. Existimos para os leitores e são os leitores que ditam o sucesso dos nossos livros, portanto, é junto deles que gostamos de estar. No final, um grande sucesso ao qual ninguém ficou indiferente.


Um grande obrigado ao Externato Marista de Lisboa e que este tenha sido o primeiro de muitos eventos em conjunto.


quarta-feira, 24 de julho de 2013

Livros de Ontem em entrevista na TSF

João Batista, fundador e editor da Livros de Ontem, falou na TSF sobre a editora e a plataforma de classificados.

A Livros de Ontem agradece à TSF pela oportunidade e pelo interesse na nossa iniciativa.

Vale a pena ouvir aqui.

terça-feira, 23 de julho de 2013

Rita Ramalho dá voz a Cancro com Humor

Já foi escolhida a vencedora do concurso "Queres ser a voz do Cancro com Humor?". Rita Ramalho foi a selecionada para dar voz ao livro "Cancro com Humor".


Nos próximos dias 19 e 20 de Agosto, a Livros de Ontem estará em gravações nos estúdios da BLIM Records para dar vida a este livro que promete revolucionar a forma como os portugueses vêem as doenças oncológicas.

Por agora, resta felicitar a Rita Ramalho por ter vencido o concurso e esperar ansiosamente que chegue o dia das gravações.

Fique atento a mais novidades!

"Nós, Vida" - apresentação no Externato Marista de Lisboa

24 de Julho de 2013, quarta-feira. 


É já amanhã que terá lugar mais uma grande apresentação do romance "Nós, Vida", escrito por Álvaro Cordeiro e publicado pela Livros de Ontem. O evento terá lugar no Externato Marista de Lisboa, colégio onde o autor leciona. 

Porque cada livro é singular, a Livros de Ontem posiciona-se sempre ao lado dos seus escritores destacando-se como uma equipa experiente para delinear um plano de divulgação à medida de cada caso.
É esta linha de raciocínio que nos levará ao Externato Marista de Lisboa para apresentar a toda a sua comunidade o trabalho de um docente da casa, de um colega.

Como sempre, o autor brindará os presentes com a leitura de um excerto da obra e autografará alguns exemplares da primeira edição numerada.

Fique atento às fotografias do evento!

Álvaro Cordeiro: “O autor diz-se no que escreve, os leitores leem-se no que ele escreveu”

20 de Junho de 2013. Data oficial do lançamento do livro Nós, Vida, primeiro do autor Álvaro Cordeiro, primeiro da editoraLivros de Ontem. Uma dupla estreia que encheu a livraria Pó dos Livros e que deixou no ar a promessa de um grande sucesso literário.Agora que a obra já circula e repousa na prateleira das livrarias esperando o interesse dos leitores, o autor revela-se e explica-se.
O EF esteve à conversa com o autor e tentou encontrar resposta para algumas perguntas: Quem será Álvaro Cordeiro? De que fala Nós, Vida? O que dizem as entrelinhas deste autor que se estreia no mundo da publicação literária?
evento3
O Paulo é um novo autor mas só como autor publicado. A escrita, em si, já não é novidade. Quando começou esta apetência pela palavra?
Eu escrevo desde a adolescência. E penso que tudo começou por efeito natural da minha timidez. Nunca me considerei muito dotado para a oralidade, inibo-me ao falar para outras pessoas e, por isso, desenvolvi a escrita como território privilegiado da minha expressão e comunicação. Isto depois foi potenciado pelo contacto, que vem desde a infância, com a literatura: sempre me fascinou a capacidade dos escritores usarem as palavras na sua máxima riqueza e, com elas, dizerem coisas que nós não conseguimos dizer, usando as mesmas palavras nas nossas conversas.
Primeiro para a gaveta e depois para o teatro. Como foi esse processo e como foram tomadas essas decisões? Por que não a publicação?
Sempre escrevi “para a gaveta”, desde que me lembro. E continuo a fazê-lo. Considero esse exercício importantíssimo para progredir na qualidade de escrita. Acredito que é preciso repetir páginas e páginas até chegar a algo que valha a pena ser lido por outros. A escrita teatral, de forma mais séria, surgiu mais tarde, há quase vinte anos, quando formei um grupo de teatro amador que queria encenar textos originais. Produzíamos uma peça por ano e, por cada texto que “saía”, vários rascunhos iam para a gaveta para que deles pudessem resultar outros textos mais tarde. É sempre este o processo: escrever a partir do que já se escreveu e tentar ir mais além a cada novo passo. Quanto a publicação, confesso que nunca pensei nisso: o prazer da escrita (algo romântico, reconheço…) esgotou-se sempre na contemplação da própria escrita e, no caso do teatro, na fruição do espetáculo que dela surgia. Até agora…
Chama-se Paulo Vaz, publica como Álvaro Cordeiro. Como surge o pseudónimo? É uma vontade ou uma necessidade?
Paulo Vaz sou eu, um homem comum, igual a tantos outros: exerço uma profissão, sou marido e pai; dedico-me ao estudo e ensino da História, valorizo a espiritualidade, gosto perdidamente de ler e tenho uma enorme paixão pelo teatro. Nada mais que isto. Álvaro Cordeiro não é um pseudónimo, é uma personalidade literária que habita esta pessoa comum e, dentro dela, exprime-se por escrito. Eu publico como Álvaro Cordeiro porque escrevo como Álvaro Cordeiro. Sempre escrevi como Álvaro Cordeiro, mesmo para as gavetas, desde a adolescência. Quando, no teatro, pego numa peça escrita por Álvaro Cordeiro para a encenar, encaro-a como algo escrito por outra pessoa. O mesmo sucede (e sucedeu desde o início) com o Nós, Vida: releio aqueles capítulos e admiro o facto de alguém ter conseguido escrevê-los… Isto pode parecer estranho, ou até presunçoso ou pedante, mas não é: é assim que o sinto, convivo com isto de uma forma simples e despreocupada e não costumo falar no assunto.
O que tem de novo para dizer ao mundo? Ou de diferente?
Depois de ler os grandes clássicos da literatura, fica-se com a sensação de que já não há nada de novo para dizer ao mundo. O ser humano diz-se a si próprio naquilo que os escritores escrevem, as suas palavras dizem uma outra Palavra maior que há neles, ou que através deles se transmite. E, assim, o ser humano recria-se e acrescenta-se e é por isso que a literatura é importante. E é por isso que continuamos a escrever, porque tentamos inventar maneiras diferentes de dizer o essencial que, se calhar, já foi dito mas vale a pena continuar a dizer. E o essencial é sempre o ser humano, com todo o seu potencial de energia, sentimentos, inteligência e espiritualidade. Sempre houve e haverá homens e mulheres que vivem a vida inteira sem reconhecerem em si potencial algum, ou sem terem oportunidade de ativar o que quer que seja. Como se explica este fenómeno? É o mistério de uma humanidade que foi capaz de gerar um Aristóteles, um Francisco de Assis, mas também um Rodrigo Bórgia ou um Estaline e tantos milhões e milhões de pessoas que nunca saberemos que qualidades e defeitos tinham. E é este mistério que é preciso continuar a dizer na literatura. Isto é o que eu penso e é sobre isto que escrevo. Às vezes sinto que a escrita de Álvaro Cordeiro transcende tudo isto que eu penso e sinto, ou vai buscar o que há de mais profundo em mim e exprime-o de uma maneira que eu não sei muito bem explicar como acontece. Como se as palavras escritas revelassem essa outra Palavra que é maior do que aquele que as escreve (a tal “verdade profunda ou terrível ou absurda ou final” de que fala a nota inicial de Nós, Vida). Escrever, no fim de contas, é um ato de transcendência. Gosto de pensar que talvez seja isso que tenho a dizer: o ser humano está, em tudo o que faz e vive, desafiado a transcender-se.
Decide avançar para a publicação numa altura de crise em que a cultura se ressente. Um desafio ou uma adversidade insuperável?
É verdade que vivemos uma conjuntura de crise económica grave, as pessoas temem pela sobrevivência e pelo acesso aos bens essenciais. Os equilíbrios sociais estão abalados, porque as pessoas sentem que já não podem viver segundo os padrões em que viviam e reagem pela depressão ou pela agressividade. E, na redução ao essencial, é claro que a cultura está entre os primeiros cortes, de acordo com a sociedade materialista e utilitarista em que vivemos. É inevitável, embora talvez não devesse ser assim, porque a História ensina-nos que as grandes ideias geradoras de mudança surgiram ou afirmaram-se precisamente em períodos de crise e a cultura é simultaneamente viveiro e canal de transmissão de ideias. Na Islândia, por exemplo, o Estado apostou num relançamento da produção cultural como uma das formas de combater a crise. Isto pode ser um sinal de que a cultura tem lugar num contexto de crise, porque devolve os indivíduos e a sociedade à reflexão sobre si próprios, desperta-lhes o potencial criativo, constrói ou reconstrói imagens e acorda para o essencial. Neste sentido, avançar para a publicação numa altura de crise é, sem dúvida, um desafio.
Como é ser um novo autor em Portugal? Que oportunidades e dificuldades existem?
Se considerarmos como autor aquilo que eu sempre fui (alguém que se entrega simplesmente ao ato criativo da escrita), direi que há muitas oportunidades para um novo autor: com computador e internet é possível escrever a qualquer hora e em qualquer lugar, armazenar a escrita em “gavetas virtuais” e partilhá-la de modo mais seletivo ou mais aberto, na modalidade que se quiser, através de nuvens, blogues, redes sociais, edições on-line, etc.. Se entendermos por autor alguém que publica ou deseja publicar a sua escrita e viver disso, adivinham-se mais dificuldades: talvez não seja muito difícil editar um livro e pô-lo à venda, mas para ter “êxito” é preciso criar nome e ir ao encontro dos critérios de aceitação do público (o que é bom, desde que se tenha qualidade e isso fomente mais leitura e reflexão). Ou então produzir um forte impacto de novidade com uma proposta alternativa que venha a definir um novo critério de aceitação. Em síntese, penso que há muitas oportunidades para escrever e razoáveis possibilidades de publicar, mas será difícil conquistar um espaço significativo no ambiente de massificação cultural que caracteriza a sociedade atual.
Na sua opinião, como está o panorama editorial português a nível de autores, editoras, livrarias, novos formatos?
Sinceramente, não sei responder a essa pergunta, que é demasiado abrangente. Cultivo o prazer da leitura e da escrita, mas domino pouco o panorama editorial. É um lugar comum dizer que as grandes editoras apostam nos formatos de sucesso e nos autores consagrados e descuram as propostas alternativas e os autores com universos mais particulares. Porém, eu não sei se isso não acaba por ser natural: é uma lógica de sobrevivência empresarial que, no fundo, pode prestar um serviço à difusão cultural. O mesmo se passa, porventura, com as livrarias: enchem uma montra com exemplares do mais recente sucesso mundial para que as pessoas, ao passarem, verifiquem que é uma livraria atualizada. Então, as pessoas entram para ver se há lá dentro outras coisas interessantes … e talvez reparem num dos três exemplares do Nós, Vida que foram ali postos à venda na quarta prateleira. O importante, penso eu, é que essas pessoas admitam que um livro desconhecido de um autor desconhecido pode ser interessante, que se disponham a colher informação sobre ele, que arrisquem comprá-lo e lê-lo e, acima de tudo, que formem uma opinião própria sobre o que leram, em vez de se limitarem a comprar o último best-seller estrangeiro acreditando que deve ser muito bom porque já vendeu cinquenta mil exemplares. As editoras e as livrarias são empresas que alimentam um público do qual dependem para se manter. Às vezes, os autores funcionam da mesma maneira. É, quanto a mim, a atitude do público leitor que tem de ser aberta e pluralista, fugir da simples repetição massificada, cultivar o gosto pelo diferente e valorizar universos literários variados sem precisar de fazer comparações, apreciar tanto um best-sellerinternacional como um livro de culto em edição de autor. Para conseguir chegar aí, penso que todos – autores, editoras, livrarias e, claro, leitores – temos de nos dispor a arriscar um pouco mais.
evento2
Como define Nós, Vida?
Gostaria de deixar para os leitores a resposta a essa questão. Afinal de contas, é esse o jogo da literatura, não é? O autor escreve, os leitores apreciam a escrita. O autor diz-se no que escreve – e às vezes diz-se mais do que se conhece –, os leitores leem-se no que ele escreveu – e às vezes leem-se mais do que se imaginavam. E, a partir daí, dizem-se a si próprios de outra maneira e talvez até passem a dizer-se aos outros de maneira diferente. Por isso é que a literatura é um ato de transcendência e pode ser uma experiência transformadora. Como a arte. Nós, Vida é, sem dúvida, a forma mais acabada que até hoje consegui de me dizer, ou de dizer a Palavra que procuro em mim. Creio que ainda é uma forma incompleta, por isso é que continuo a escrever.
O que mais me chamou a atenção em Nós, Vida foi a interligação do título com a história, duas palavras singulares que formam um todo que faz muito sentido ao longo da história. Como foi o processo de construir uma narrativa tão real, tão certa com o mundo que nos rodeia?
De início não havia sequer a preocupação de construir uma narrativa sequenciada. A ideia era compor um retrato do ser humano fragmentado em cenas diversificadas com personagens diferentes que não tinham ligação entre si. Ao longo do processo de evolução da obra, as personagens foram-se tornando próximas, surgiram os laços familiares e afetivos, ataram-se os nós daquelas vidas. Como se as personagens, por meio de um mecanismo cujo controlo me ia escapando, começassem a dizer-me que o tal retrato do ser humano é feito da junção de todas elas, num todo que não é igual à soma das partes. O passo decisivo neste processo foi a transformação do texto inicial em peça de teatro, com a necessidade de conferir unidade ao conflito e definir um desenlace. Foi então que surgiu o título, que se torna muito mais significativo depois de terminada a leitura. Mas tudo isto aconteceu de um modo algo indizível e transcendente, operado por uma personalidade literária que parece gozar de uma certa autonomia dentro de mim.
Os seus personagens podiam ser qualquer um de nós. Há alguma correspondência com a realidade na construção de personagens ou a sua veracidade provém da completa abstração?
Todas as personagens são inventadas, são criações de um autor que habita em todas elas. A singularidade dos nomes, tantas vezes apontada, acentua precisamente o seu distanciamento da realidade concreta, essa “abstração”, se assim quisermos dizer. A descontextualização da narrativa, reduzindo ao mínimo as referências a tempos e lugares, também contribui para isso. No entanto, ao centrar todo o discurso exclusivamente nas personagens, no que dizem e sentem, pretende-se criar um efeito de proximidade e de identificação e é talvez por isso que elas podem ser qualquer um de nós, que as suas vidas podem contar um bocado das nossas vidas. Observando-as de perto, talvez nos vejamos melhor a nós próprios. Pelo menos, é essa a intenção.
E depois de Nós, Vida? Há mais alguma gaveta por abrir?
Há várias gavetas e não estão propriamente fechadas. A minha escrita não é um segredo, é apenas uma atividade resguardada, uma intimidade que espera os momentos adequados para ser exposta e partilhada. Nós, Vida demorou um tempo que pode parecer excessivo, mas que eu hoje sinto como tendo sido o necessário. Há outras coisas à espera, algumas em apontamento, algumas já redigidas em parte ou no todo. Posso adiantar que há um texto em processo de reescrita da terceira versão. Será o próximo livro? O autor está a fazer o seu trabalho, mas só as circunstâncias, o editor e os leitores poderão dar a resposta final…

Originalmente publicado no Espalha-Factos.